JPL-JORNAL---OFICIAL-

domingo 14, abril, 2024 - 4:46

Empreendedorismo

Quando se esquece o perdão, perde-se a paz

Empreender e a inteligência emocional do Perdão Em meio às complexidades da vida cotid

image_printImprimir

Empreender e a inteligência emocional do Perdão

Em meio às complexidades da vida cotidiana, encontramos desafios e conflitos que podem abalar nossa paz interior. O perdão, uma poderosa virtude humana, é frequentemente considerado como um caminho para superar esses obstáculos e alcançar a verdadeira serenidade. Grandes psicólogos ao longo da história e até mesmo Jesus Cristo, com suas palavras inspiradoras, nos ensinaram sobre a importância do perdão para a conquista da paz.

A psicologia contemporânea reconhece o perdão como um processo que envolve a liberação de ressentimentos, mágoas e a busca pela reconciliação. A psicóloga e escritora americana Dr. Judith Sills enfatiza que o perdão não significa esquecer, justificar ou tolerar a dor infligida, mas sim libertar-se do poder que essa dor tem sobre nós. Ela afirma: “Perdoar é uma decisão de libertação que nos permite seguir em frente e abrir espaço para a paz”.

Deus e a Psicologia do Perdão

Outro renomado psicólogo, Dr. Frederic Luskin, fundador do Projeto do Perdão na Universidade de Stanford, destaca que o ato de perdoar é uma escolha consciente que nos permite abandonar a raiva e cultivar emoções positivas, como a compaixão e a empatia. Ele afirma: “Perdoar é se libertar da prisão emocional que nos mantém reféns do passado e nos impede de experimentar a paz presente”.

o ensinamento sobre o perdão vai além das fronteiras da psicologia. Jesus Cristo, uma figura central do cristianismo, deixou claro em suas palavras o papel transformador do perdão.

No entanto, o ensinamento sobre o perdão vai além das fronteiras da psicologia. Jesus Cristo, uma figura central do cristianismo, deixou claro em suas palavras o papel transformador do perdão. Em seus ensinamentos, Ele ressaltou a importância de perdoar os outros para que possamos alcançar a paz interior e a comunhão com Deus.

No Sermão da Montanha, registrado no Evangelho de Mateus, Jesus proclama: “Porque, se perdoardes aos homens as suas ofensas, também vosso Pai celestial vos perdoará a vós; se, porém, não perdoardes aos homens as suas ofensas, tampouco vosso Pai vos perdoará as vossas ofensas” (Mateus 6:14-15). Essas palavras de Jesus destacam a relação direta entre o ato de perdoar e a busca pelo perdão divino, além de ressaltar a necessidade de se libertar do peso emocional que o ressentimento traz consigo.

Quando nos recusamos a perdoar, carregamos conosco um fardo pesado, alimentando um ciclo de negatividade que afeta nosso bem-estar emocional e espiritual. O perdão nos dá a oportunidade de liberar essa carga e abrir espaço para a paz em nossas vidas. É uma escolha que nos coloca em um estado de compreensão, cura e crescimento.

Portanto, quando nos esquecemos do perdão, estamos essencialmente negando a nós mesmos a possibilidade de alcançar a paz interior. Ao seguir os ensinamentos dos grandes psicólogos e o caminho apontado por Jesus, podemos reconhecer que o perdão não é um sinal de fraqueza, mas sim uma demonstração de força e coragem. Perdoar não significa negar a dor que fomos submetidos, mas sim escolher o amor e a liberdade sobre o rancor e a prisão emocional.

Ao perdoar, permitimos que a cura comece a acontecer em nossas vidas. É um processo que nos ajuda a liberar o passado e a construir um futuro mais promissor, baseado em relacionamentos saudáveis e em paz consigo mesmo e com os outros. O psicólogo e escritor americano Jack Kornfield ressalta: “Perdoar significa dar a si mesmo a liberdade de viver em um mundo que contém injustiça, mas que também é permeado por amor e compaixão”.

Além disso, o perdão não se limita apenas ao âmbito pessoal. Ele tem o poder de transformar comunidades e sociedades inteiras. O psicólogo clínico Dr. Robert Enright, pioneiro na pesquisa sobre o perdão, afirma que o perdão pode ajudar a quebrar ciclos de violência e vingança, promovendo a reconciliação e a paz social.

No entanto, devemos lembrar que o perdão não é um processo fácil. Pode exigir tempo, reflexão e até mesmo ajuda profissional para alcançá-lo plenamente. Cada pessoa enfrenta suas próprias batalhas internas e dilemas emocionais ao lidar com a questão do perdão. É importante respeitar esse processo individual e buscar apoio quando necessário.

Em um mundo muitas vezes marcado por conflitos, ressentimentos e mágoas, o perdão se torna uma ferramenta poderosa para restaurar a paz em nossas vidas. Ao abraçar o perdão, permitimos que a cura e a transformação ocorram, tanto em nós mesmos como nas relações com os outros.

Que possamos encontrar coragem para perdoar, liberar o peso do ressentimento e abrir espaço para a paz em nossas vidas. Pois é somente quando nos permitimos perdoar que encontramos a verdadeira serenidade e a harmonia interior que tanto buscamos. Tal como afimava Paulo e uma de suas cartas: Que “a paz de Deus, que excede todo o entendimento, guarde o coração e a mente de vocês.”